Confissão

Segundo o Compêndio do Catecismo, na pergunta 297, “Cristo instituiu o sacramento da Penitência para a conversão dos batizados que se afastaram dele pelo pecado”. Assim, os batizados precisam conhecer e celebrar este sacramento para voltarem a viver próximos de Jesus após o pecado.

À Luz das Escrituras, podemos ver que nos Evangelhos Nosso Senhor veio para anunciar o Reino de Deus e a conversão, perdoando os pecados, e chamar os pecadores ao discipulado. A entrega da sua vida na cruz foi entendida como o grande sacrifício de amor para a remissão dos pecados. Esta mesma missão de perdoar os pecados o Senhor confiou à sua Igreja por intermédio de seus apóstolos após a ressurreição. Assim, a Igreja tem, por mandato de Cristo, a missão de pregar a conversão e a misericórdia divina e conceder, em seu Nome, o perdão dos pecados, por meio do ministério de seus sacerdotes.

O pecado impõe uma desordem na Ordem da Criação, no relacionamento do fiel com Deus e com toda a Igreja. O sacramento da Confissão ao conceder o perdão restabelece esta comunhão do fiel com Deus e com toda a Igreja. Conforme o Catecismo da Igreja Católica nos recorda, no número §1496, os efeitos espirituais do sacramento da Confissão são a reconciliação com Deus, pela qual o penitente recobra a graça; a reconciliação com a Igreja; a remissão da pena eterna devida aos pecados mortais; a remissão, pelo menos em parte, das penas temporais, sequelas do pecado; paz e serenidade da consciência, e consolação espiritual; o acréscimo de forças espirituais para o combate cristão.

A realização do sacramento se dá da seguinte maneira: para celebrar este sacramento é necessário ter sido batizado e a consciência de ter cometido uma falta grave. O exame de consciência auxilia o cristão a averiguar quais pensamentos, palavras, atos ou omissões o teriam levado a pecar. Diante dessa consciência nasce o arrependimento por ter ofendido a Deus pelo pecado e rompido a comunhão com sua Igreja. O penitente confessa seus pecados diante do sacerdote (lembrando que para a confissão basta apenas acusar-se da falta cometida, sem justificações, reconhecendo o próprio pecado). Após a acusação de suas faltas o sacerdote impõe ao fiel alguma penitência, que visa a reparação dos atos cometidos e o restabelecimento da ordem ferida pelo pecado. Portanto, para bem celebrar é necessário que estas etapas sejam cumpridas (arrependimento, confissão das faltas e a prática penitencial).